fbpx

Quais são os benefícios da vitamina D?

A vitamina D ajuda nosso corpo a regular os níveis de cálcio e fosfato – nutrientes que mantêm ossos, dentes e músculos saudáveis.

Frequentemente, a luz do sol em nossa pele pode ser suficiente para nos permitir produzir toda a vitamina D de que precisamos. Mas quando falta luz solar, a vitamina D deve ser ingerida já que pode ser difícil atingir os níveis recomendados apenas com comida.

Isso é importante porque os benefícios para a saúde da ingestão adequada de vitamina D podem ser ainda maiores do que se pensava anteriormente.

As deficiências de vitamina D são generalizadas no mundo, com cerca de um bilhão de pessoas, de todas as idades e etnias, sofrendo desta deficiência, mesmo em países com sol o ano todo.

Na verdade, eles são particularmente comuns no Oriente Médio, em parte devido à prevalência de roupas que cobrem a pele e um hábito cultural de ficar longe do sol. Esse mesmo hábito, junto com a pele mais escura, contribui para a redução dos níveis de vitamina D entre os africanos.

Mesmo nos países industrializados, os médicos estão vendo o ressurgimento do raquitismo, uma doença que enfraquece os ossos e que foi amplamente erradicada por meio do leite enriquecido com vitaminas e de outros produtos. E o raquitismo está longe de ser a única doença para a qual a deficiência de vitamina D pode contribuir. Pesquisas realizadas na última década sugerem que a vitamina D desempenha um papel muito mais amplo no combate a doenças do que se pensava.

Por exemplo, o Health Professional Follow-Up Study descobriu que homens com deficiência de vitamina D tinham duas vezes mais chances de ter um ataque cardíaco do que homens com níveis adequados.

Vários outros estudos encontraram ligações entre níveis baixos de vitamina D e maior risco de insuficiência cardíaca e morte cardíaca súbita, acidente vascular cerebral e doença cardiovascular em geral.

Ainda outro estudo mostrou que suplementos diários de vitamina D podem melhorar a função cardíaca em pessoas com insuficiência cardíaca crônica.

Dezenas de outros estudos apontam para uma ligação potencial entre os baixos níveis de vitamina D e o aumento do risco de câncer, particularmente o risco de câncer colorretal (embora, com base nas evidências atuais, não esteja claro se os suplementos de vitamina D realmente reduzem o risco de câncer. Da mesma forma, os níveis de vitamina D pode ajudar a prever a sobrevivência ao câncer (embora as evidências também permaneçam limitadas aqui).

Depois, há a esclerose múltipla, (EM) que ocorre em taxas muito mais baixas em climas mais ensolarados, possivelmente devido em parte aos níveis mais elevados de vitamina D. Um estudo descobriu que, entre os pacientes que já têm esclerose múltipla, aqueles que tomaram uma dose alta de suplementos de vitamina D apresentaram menores taxas de recaída. Outro estudo mostrou que aqueles com os níveis mais altos de vitamina D no sangue tinham um risco 62% menor de desenvolver EM do que aqueles com os níveis mais baixos de vitamina D.

Da mesma forma, um estudo de 30 anos na Finlândia descobriu que as crianças que receberam suplementos de vitamina D regularmente durante a infância tiveram um risco quase 90% menor de desenvolver diabetes tipo 1 do que aquelas que não receberam nenhum.

Outros estudos de caso-controle europeus reforçam a conclusão de que a vitamina D pode ajudar a proteger contra o diabetes tipo 1.

Até a obesidade pode ter conexões com a vitamina D.

Um estudo clínico descobriu que fornecer suplementos para pessoas obesas e com sobrepeso com deficiência de vitamina D ajuda na perda de peso e aumenta os benefícios de uma dieta com poucas calorias.

Outro estudo revelou que mulheres que faziam dieta com cálcio insuficiente e que tomaram suplementos de cálcio e vitamina D perderam mais gordura do que aquelas que não tomaram.

Como se isso não bastasse, a vitamina D também ajuda a combater as infecções. Os cientistas descobriram que a vitamina D é necessária para ativar as células T do sistema imunológico, que identificam e atacam os patógenos nocivos que circulam por todo o corpo

Isso pode explicar, pelo menos em parte, por que o pico do vírus da gripe ocorre nos meses de inverno (em climas temperados). Essa sazonalidade levou um médico britânico a levantar a hipótese de que os surtos de gripe são afetados pelo “estímulo sazonal” relacionado à luz solar.

Um ensaio clínico randomizado em crianças japonesas descobriu que as taxas de influenza tipo A em crianças que tomavam suplementos de vitamina D eram cerca de 40% mais baixas do que naquelas que tomavam placebo; não houve diferença significativa nas taxas de influenza tipo B.

Uma revisão recente descobriu que a suplementação de vitamina D era segura e protetora contra infecções agudas do trato respiratório em geral.

O papel da vitamina D no combate às infecções não é exatamente uma notícia.

Antes da descoberta dos antibióticos, a luz solar fazia parte do tratamento padrão para tuberculose (TB). Um estudo mostrou que os pacientes com  tuberculose se recuperaram mais rapidamente quando receberam vitamina D junto com antibióticos. E vários estudos, quando analisados ​​em conjunto, sugerem que pessoas com diagnóstico de tuberculose têm níveis mais baixos de vitamina D do que pessoas saudáveis ​​de idade semelhante e outras características.

Mais pesquisas são necessárias antes que possamos ter certeza de qualquer um desses benefícios, mas os resultados recentes são promissores. Em qualquer caso, não há dúvida de que a vitamina D é crucial para a saúde humana.

Então, quanta vitamina D precisamos para colher suas recompensas no combate às doenças?

O Institute of Medicine recomenda triplicar a ingestão diária recomendada de vitamina D para crianças e adultos nos Estados Unidos e Canadá, para 600 UI (15 microgramas) por dia.

A dieta recomendada da Public Health England para adultos e crianças com mais de um ano é de 400 UI (10 microgramas) por dia.

Considerando que poucos alimentos contêm vitamina D naturalmente, atingir esses níveis pode exigir um esforço consciente.

Algumas pessoas podem precisar de mais do que a dieta recomendada – se forem obesas ou estiverem tomando medicamentos anticonvulsivos, imunossupressores, antifúngicos como o cetoconazol ou medicamentos para HIV / AIDS – embora seja importante consultar um médico antes de iniciar tal regime.

A ingestão de muita vitamina D – acima de 10.000 UI por dia – pode causar danos aos rins e tecidos e promover hipercalcemia (o acúmulo de cálcio no sangue).

Ainda estamos com estudos clínicos que exploram a possível ligação entre suplementos de vitamina D, níveis mais altos de vitamina D e risco reduzido de doenças.

No entanto, dadas as implicações para a saúde pública de tal conexão – baixos níveis de vitamina D foram associados a um risco dobrado de morte prematura – a pesquisa não poderia ser mais importante.

Na saúde pública, não há muitos viradores de jogo. A vitamina D ainda pode provar ser um grande virador de jogo.

Gostou deste artigo? Deixe seu comentário.

Venha nos conhecer, saiba mais dos nossos tratamentos naturais de saúde e emagrecimento

Att Antonio Fischer

Antonio Fischer: CRN 32380

Nutritionist at Match Point Spa Wellness Center

Postgraduate in Functional Food and Quality of Life Unasp

Raw Food Chef by Graff Academy of Raw Food Nutrition USA

Vegan and Live Food Nutritionist

Intermitent Fasting, Extending Fast and Anti Inflammatory Diet Specialist
High Quality Nutrition

Spa Phone: 55 11 4584-2154

Ir para WhatsApp
Precisa de Ajuda?